Ceará deve receber 2 milhões de doses da CoronaVac até fevereiro

164

Além das vacinas do Butantan, estado já conta com 147 câmaras refrigeradas e 2 milhões de seringas e agulhas

O ano começa com a esperança de chegada da vacina contra covid-19 a várias partes do mundo. No Ceará, a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) informou que firmou um acordo com a Fundação Butantan para o fornecimento de 2 milhões de doses da vacina CoronaVac ao estado, com probabilidade de entregas adicionais em fevereiro e de um maior volume a partir de maio.

Em seu site, a secretaria ainda informou que o estado adquiriu um total de 147 câmaras refrigeradas que serão utilizadas para o armazenamento da vacina, sendo 143 itens de 200 litros e quatro itens de 300 litros. Os municípios que já receberam os refrigeradores foram Banabuiú, Itaitinga, Paraipaba, Paracuru e Quixeramobim. O valor do investimento, de acordo com a Sesa, é de R$ 2,8 milhões. A previsão é de chegar mais 75 desses equipamentos até esta terça-feira (12).

A chegada das vacinas do Butantan ao Ceará ocorre semanas depois da reunião do governador do estado, Camilo Santana (PT), com representantes do instituto paulista, realizada em dezembro, em São Paulo. Em suas redes sociais, Santana se pronunciou: “Não medirei esforços para que a vacina contra a covid chegue ao Ceará da forma mais rápida e segura, para que nosso povo seja imunizado e possamos voltar à tão sonhada normalidade. Tenho absoluta certeza de que 2021 será o ano da superação”.

À espera da vacina, o estado já conta com um estoque de 2 milhões de seringas e agulhas e há previsão de que outras 6 milhões cheguem ainda na primeira quinzena de janeiro. A Sesa informa que esse material também será usado prioritariamente para a vacinação contra covid-19.

Eficácia da vacina

Em suas redes sociais, o Instituto Butantan informou à população sobre a eficácia da vacina. “A vacina do Butantan contra a covid-19, que estamos desenvolvendo junto com a farmacêutica Sinovac Life Science, se mostrou segura e eficaz nos testes clínicos de fase 3. O estudo foi aplicado em mais de 13 mil voluntários e apontou proteção de 100% a sintomas severos da COVID-19 e 78% de eficácia contra casos leves”.

Samuel Átila Rodrigues Nogueira, integrante da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares lembra que as pessoas não precisam ter medo de tomar as vacinas contra a covid-19 porque, de acordo com ele, todas as vacinas que forem aplicadas elas serão aprovadas e já terão passado por um rigoroso teste de qualidade. Samuel informa que a Coronavac, que é a vacina do Butantan é muito segura.

De acordo com Átila, os testes fase 1 e fase 2, que foram testados em mais de 700 pessoas não mostrou nenhuma reação grave na aplicação da vacina. Então os testes 1 e 2 já mostraram que é uma vacina muito segura e o número de pessoas que tomaram essa vacina na fase 3 já é um número muito alto e também não foi observada nenhuma reação grave na aplicação da vacina.

Ele lembra que já tem mais de 700 mil pessoas que já tomaram a vacina na China e não há notificação de reação grave ou de morte por essa vacina. “A gente tem notificação nos testes que mostraram apenas de reação leve quando as pessoas tomaram a vacina. As pessoas podem ter uma dor no braço, febre baixa nos primeiros dias e que se resolve rapidamente”.

Samuel explica que a vacina do Butantan usa uma tecnologia que é chamada de “vacina de vírus inativado”, que é uma vacina que o vírus está morto. Eles matam o vírus e, por isso, não tem como a pessoa vacinada desenvolver essa doença porque o vírus está definitivamente morto. Essa é uma tecnologia bem antiga, de acordo com ele, que é usada em outras vacinas como, por exemplo, a da gripe.

Cuidados

A vacina será aplicada em duas doses. Samuel explica que o intervalo entre uma dose e a outra pode variar de 14 a 28 dias. De acordo com ele, quem tomou apenas uma dose, vai ter que tomar os mesmos cuidados que tinha antes da aplicação da vacina: usar máscaras, não frequentar ambiente mal ventilado, não frequentar aglomerações porque, com uma dose, não se sabe se a pessoa está já está protegida. Samuel afirma que, mesmo depois da pessoa tomar as duas doses, ela vai ter que tomar os mesmos cuidados. “A vacinação é uma estratégia populacional. A pessoa que se vacina sozinha ela não está segura, a pessoa só está segura quando ela e todos aqueles em volta dela se vacinam, porque uma porcentagem da população não vai desenvolver a imunidade que a vacina disponibiliza”.

Covid-19 no Ceará

Segundo informações divulgadas pela plataforma IntegraSUS, o estado do Ceará conta com 342.941 casos confirmados, com 10.122 óbitos e 274.609 casos recuperados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here